As diferenças entre vacinas contra o COVID-19

  • Home
  • As diferenças entre vacinas contra o COVID-19

As diferenças entre vacinas contra o COVID-19

Estamos em janeiro de 2021, e parece que já se passaram anos desde que o COVID-19 apareceu e nos assustou a todos, nos tirou liberdades e abraços. Mas alguns meses depois de tudo isto ter começado chegam até nós as tão famosas e famigeradas vacinas, e as opiniões dividem-se.

Tem medo de tomar a vacina? Questiona-se quais os benefícios e malefícios das mesma? Não percebeu ainda bem quais as diferenças entre elas?

Não se preocupe, porque tudo isto é normal! E por isso mesmo vamos explicar aqui quais os tipos de vacinas existentes e as suas características.

Neste momento temos vacinas que são produzidas de 4 formas diferentes, ou seja, o seu processo de produção e a forma como estas são criadas é diferente. Temos então a vacina de vírus inativado a vacina vetor viral, a vacina genética de RNA, e a vacina proteica.

Vacina de vírus inativado

Nesta tecnologia, já conhecida há muitos anos, os cientistas cultivam o vírus em laboratório e depois “matam-no” — cientificamente, vírus não morrem, mas podem ser paralisados ou inativados. O “corpo” do vírus é capaz de gerar uma resposta imune do organismo, mas, como o Sars-CoV-2 está “morto”, não há risco da pessoa adoecer. Quando o corpo entrar em contacto com o vírus na vida real, estará apto para se proteger.

Vacina vetor viral

Neste caso é utilizado outro vírus atua como vetor para estimular a resposta imune do organismo. Nas vacinas pesquisadas, cientistas pegam no adenovírus do macaco, que causa as constipações, retiram a sua carga genética e deixam apenas o exterior. Dentro desta inserem um bocado do vírus do Sars-CoV-2. As células, ao entrarem em contacto com o vetor, estimulam o sistema imune para produzir anticorpos contra a covid-19. Como traz parte de outro vírus, o sistema imunitário vai criar uma defesa contra o adenovírus em si e reduzir a eficácia da vacina.

Vacina genética de RNA

A vacina de RNA é uma tecnologia inédita que pode revolucionar as imunizações. O RNA é como instruções que mandam células produzirem  determinadas proteínas. A vacina insere no nosso corpo uma molécula de RNA produzida em laboratório que irá instruir as nossas células a produzir uma proteína que faz parte do código genético do Sars-CoV-2. O corpo entende que essa proteína produzida é o vírus inteiro e cria uma resposta imune que o protegerá quando, na vida real, o Sars-CoV-2 aparecer. A vacina não lida com o novo coronavírus, é tudo feito por engenharia genética, utilizando como base o código do Sars-CoV-2 disponível.

Vacina proteica

Utiliza partículas muito pequenas do vírus (proteínas) para estimular a resposta do sistema imunitário. Na prática, esse tipo de vacina salta uma etapa da vacina genética de RNA: se esta estimula a célula a produzir uma proteína que será reconhecida como invasora, a vacina proteica já entrega a proteína para o corpo. Nenhuma vacina contra a covid-19 cuja eficácia já foi divulgada usa o método proteico.

É importante referir que todas e quaisquer vacinas administradas foram devidamente analisadas e aprovadas. Caso queira saber mais e a nossa ajuda sobre este tema entre em contacto connosco, através do email geral@farmaciaportugal.pt ou pelo nosso site, na área de contactos https://www.farmaciaportugal.pt/contactos/